TDI - Teoria do design inteligente

Você já ouviu falar na TDI, ou Teoria do Design Inteligente? E da teoria da Evolução das Espécies? Essa acredito que sim não é mesmo?

Vivemos nos dias atuais muita confusão psicológica na maioria dessas confusões, muitas são direcionadas a desclassificar as verdades bíblicas, mistificando seus relatos e tornando em loucos seus pregadores e estudiosos. Uma dessas correntes de pensamento que varreu boa parte do mundo e causou grande incômodo para muitas pessoas e levou outras à perderem sua fé, foi justamente a Teoria da Evolução.

A verdadeira ciência pautada na realidade da existência
Tudo nos mostra que há desenho, padrões e complexidade na criação e em nossas vidas e isso é fato! Imagem: Defense of Reason


Os ensinos de Charles Darwin sobre os processos naturais espontâneos que geraram toda criação atual (incluindo o homem) e que sustenta as mudanças que ocorrem ao nosso redor, tem tirado a fé de muitos no Deus da criação e nas verdades bíblicas.

Mas como Deus nunca perdeu para homem algum, fez com que logo a verdade gritasse em laboratórios onde homens de fé e noção comum na ciência ousassem questionar as supostas "verdades" da Teoria da Evolução e colocassem em pauta os detalhes a muitos anos ignorados pela maioria dos cientistas.Neste artigo quero apenas deixar algumas informações sobre a TDI que foram tiradas da Wikipédia para enriquecer seus conhecimentos.







Sobre a Teoria do Design Inteligente

 O Desenho Inteligente, Design inteligente ou Projeto Inteligente (em inglês Intelligent Design) é a assertiva de que "certas características do universo e dos seres vivos são mais bem explicadas por uma causa inteligente, e não por um processo não-direcionado como a seleção natural"; e que "é possível a inferência inequívoca de projeto sem que se façam necessários conhecimentos sobre o projetista, seus objetivos ou sobre os métodos por esse empregados na execução do projeto."

Ele é uma forma moderna do tradicional argumento teleológico para a existência de Deus, modificado para evitar especificações sobre a natureza ou identidade do criador. A ideia foi desenvolvida por um grupo de criacionistas americanos que reformularam o argumento em face à controvérsia da criação versus evolução para contornar a legislação americana proibindo o ensino de criacionismo como ciência. Seus principais defensores, todos eles associados ao Discovery Institute, sediado nos Estados Unidos, acreditam que o criador é o Deus do cristianismo.

Design Inteligente
Design Criativo - Orientado por Princípios

Segundo eles, sua pesquisa é análoga à de detetives que, diante de uma pessoa morta, buscam sinais de que aquele evento não foi acidental (ou que isto é muito improvável), indicando que há um assassino. Os pesquisadores buscam no mundo natural (e principalmente em estruturas biológicas) sinais de planejamento, funcionalidade e propósito. Assim como os detetives podem investigar se há ou não um criminoso sem saber quem ele é, os pesquisadores alegam que poderiam dizer que há uma criação sem saber dados adicionais sobre o criador. A pesquisa se foca nas evidências biológicas e não nas conseqüências das descobertas. Defensores da criação inteligente alegam que ela seja uma teoria científica, e buscam fundamentalmente redefinir a ciência para que a mesma aceite explicações sobrenaturais.

O consenso da comunidade científica é de que a criação inteligente não é ciência, mas na verdade pseudociência. A Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos já declarou que o "criacionismo, design inteligente e outras alegações de intervenção sobrenatural na origem da vida" não são ciências porque elas não podem ser testadas por métodos científicos. A Associação de Professores de Ciências dos Estados Unidos e a Associação Americana para o Avanço da Ciência a classificaram como pseudociência. A Sociedade Brasileira de Genética publicou oficialmente que não há qualquer respaldo científico no design inteligente e outras teorias criacionistas, explicando que esta posição é consensual na comunidade científica.

Fundamentos da Teoria do Design Inteligente


O Darwinismo é a linha de pensamento que confronta a TDI


Como toda teoria, o Design Inteligente se apóia em três argumentos primários:

1. Complexidade Irredutível: Refere-se ao fato de a vida ser composta de partes interligadas que dependem umas das outras para que sejam úteis. A mudança em uma parte apenas por mutação, por exemplo, não poderia ser responsável pela eficiência de toda estrutura.

2. Complexidade Específica: Apresenta que seria impossível que padrões tão complexos, como os presentes nos seres vivos, tenham se desenvolvido através de processos do acaso.

3. Princípio Antrópico: Acredita que a existência e desenvolvimento da vida na Terra requerem que tantas variáveis estejam perfeitamente harmonizadas, que seria impossível que todas as variáveis chegassem a ser como são apenas pelo acaso. Se nosso planeta fosse um pouco mais próximo do Sol, as condições para existência de vida seriam inviáveis.

No Brasil, a tradução do livro A Caixa Preta de Darwin - O Desafio da Bioquímica à Teoria da Evolução, pela editora Jorge Zahar Editor, do autor Behe, constitui um importante meio de informar aos interessados sobre as ideias do Desing Inteligente.

Fontes:
Wikipedia
Brasil Escola