Terra - NASA e sua Ficção Científica

Antes de conhecer a Terra Plana eu acreditava demais nas notícias, imagens e outras gambiarras da NASA com respeito ao espaço e isso me encantava demais e ainda me lembro que meus amigos e irmãos em Cristo me tinham por nerd por conhecer até bem sobre o assunto e falava disso de boca cheia como se tudo fosse verdade. Depois eu me senti envergonhado por ter sido tão enganado por esses cretinos que sabem da grande mentira que arquitetaram e hoje luto arduamente para abrir os olhos das pessoas dentro e fora da internet. Quando eu encontro alguma notícia da NASA e suas comparsas hoje, só vejo motivos para dar risada porque é tanta mentira; delírio e criatividade que fico mais impressionado em como eles inventam tantas coisas; mas para quem curte quadrinhos ou histórias de ficção científica sabe que basta ter um bom roteirista que temos uma grande estória para ler e conhecer; contendo personagens; mundos; criaturas e tudo mais. A NASA até manja nisso; quer ver só? Leia com bastante atenção pensando em fatos que podem ser comprovados nessa matéria que encontrei.

Sonda Voyager
Para muitas pessoas essas imagens são autênticas mas nenhuma delas são! São montagens! Imagem: Ciberia


Aos 35 anos, Voyager 1 é o objeto terrestre mais distante

A sonda espacial Voyager 1 completa 35 anos nesta quarta-feira. Lançada no dia 5 de setembro de 1977, do Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), ela foi planejada para visitar e estudar os dois maiores planetas do Sistema Solar: Júpiter e Saturno. Essa missão inicial se encerrou em novembro de 1980. Mas a sonda foi muito além: a jornada já a levou para 18 bilhões de quilômetros de distância do Sol, à camada exterior da heliosfera, fronteira com o - até agora - insondável espaço interestelar. A campeã anterior, a Pioneer 10, foi ultrapassada em 1998. Com o feito, a Voyager 1 conquistou o recorde de objeto terrestre que viajou a maior distância no espaço. Em 15 de junho deste ano, cientistas da NASA declararam que a sonda está próxima de se tornar a primeira nave produzida por humanos a deixar o Sistema Solar.

A Voyager 1 tinha companhia antes do lançamento: a Voyager 2, sua sonda irmã, lançada duas semanas antes, em outra trajetória. Hoje elas se encontram a bilhões de quilômetros de distância. "Composta por duas sondas espaciais, a Missão Voyager teve como objetivos o estudo e exploração, in loco , dos planetas gasosos do Sistema Solar, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno", explica José Leonardo Ferreira, doutor em Ciências Espaciais pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Curiosamente, a Voyager 2 foi lançada antes do que a 1 e está menos distante da Terra. Conforme Antonio Fernando Bertachini de Almeida Prado, doutor em Engenharia Espacial pela Universidade do Texas, os nomes (no caso, os números) foram dados pela ordem de chegada a Júpiter. "No espaço, para viajar entre os planetas, a linha reta não é a trajetória mais econômica (em termos de combustível) entre dois corpos celestes. Trajetórias elípticas são mais econômicas. A Voyager 1 seguiu um arco de elipse de período mais curto e, mesmo lançada depois da Voyager 2, chegou primeiro a Júpiter", justifica.

Segundo Ferreira, o período de lançamento das Voyager 1 e 2 foi determinado pelo posicionamento dos grandes planetas em relação à Terra, obedecendo às leis da mecânica celeste que possibilitam a utilização do efeito popularmente conhecido como estilingue gravitacional. "Ele permite que a sonda possa ser lançada para distâncias maiores, podendo, assim, atingir objetos mais distantes do Sol no Sistema Solar", esclarece o professor do Instituto de Física da Universidade de Brasília (UnB). Para viabilizar a missão, Prado explica que foi utilizada a técnica de Swing-By , na qual uma passagem próxima a um planeta gera energia para a nave continuar a viagem. Dessa forma, foram feitas duas naves, cada qual com sua trajetória programada pelos seus objetivos. "A Voyager 2 teve uma trajetória diferente para que pudesse passar por Urano e Netuno, enquanto que a Voyager 1 visava a estudar os satélites de Júpiter e Saturno", aponta.



Dentre as conquistas e descobertas feitas pela Voyager 1 desde o seu lançamento, Ferreira destaca o estudo das luas galileanas Io e Europa , de Júpiter, além da lua Titã , de Saturno , que estão entre as maiores do Sistema Solar. Para Prado, o estudo da atmosfera de Titã foi importante, pois o satélite apresenta condições similares às da atmosfera terrestre na época do início da vida na Terra . O chefe da Divisão de Mecânica Espacial e Controle do Inpe aponta ainda outras importantes descobertas: o fato da Grande Mancha Vermelha ser um furacão na atmosfera de Júpiter; a existência de um anel em torno de Júpiter; atividades vulcânicas em Io ; as três luas de Júpiter: Tebe, Métis e Adrastéia; e o estudo da atmosfera e das estruturas dos anéis de Saturno. Com isso, a Voyager completou sua missão e seguiu viagem, atingindo o choque de terminação, última fronteira do Sistema Solar, em dezembro de 2004. Após Júpiter e Saturno, a Voyager 1 estudou a velocidade do vento solar, além da temperatura e níveis de radiação do espaço interplanetário.

A Voyager 1 ainda não cessou suas atividades, mas elas demoram cada vez mais para serem detectadas na Terra. Os dados enviados para a Nasa demoram cerca de 17 horas para chegar. "Essas ondas que trazem as informações da Voyager para a Terra viajam na velocidade da luz, que é grande, mas finita. Sendo assim, quanto mais longe a sonda está da Terra, maior o tempo que as ondas levam para chegar até nós", explica Prado.

O futuro da Voyager 1

Quando a Voyager 1 foi lançada, em 1977, era difícil imaginar que ela seguiria operando 35 anos depois, e com previsão de continuar ativa até 2020. "Nesta época, a Voyager 1 estará a 20 bilhões de km, 1 dia-luz de distância do sol", afirma Ferreira, pesquisador visitante do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na siga em inglês) da Nasa em 1987.

Sonda Cassini 1
Com essas imagens fantásticas a NASA e suas comparsas tentam ludibriar a todos que isso é real. Imagem: Absolute Knowledge


Conforme Prado, é difícil prever a duração de uma missão, ainda mais em um espaço ainda não estudado, sem saber os detalhes de radiação, que poderiam danificar os aparelhos. "Fica difícil colocar um prazo de validade, mas creio que ninguém imaginava tanto", diz.

Outro fato que torna ainda mais impressionante a Voyager 1 seguir funcionando e mandando informações é a sua tecnologia. Portando uma relíquia do início da era espacial, a sonda possui apenas 68 kilobytes de memória de computador, enquanto o menor iPod tem 8 gigabytes de memória, cerca de 100 mil vezes mais potente.

Mesmo assim, com pouca memória, a Voyager 1 registrou descobertas importantíssimas e a trajetória mais distante de um objeto terrestre. E por mais alguns anos, cada vez mais distante de casa, ela seguirá perscrutando um universo inexplorado pelos humanos. Até 2020, quando seus últimos sensores de comunicação com a Terra forem desligados. Para poupar energia, sua câmera já foi aposentada.

Considerações e Conclusão

Terminou de ler? O que viu de interessante neste texto? Aparentemente tudo não é mesmo? Parece realmente uma coisa espetacular e interessante; quando na verdade; para quem conhece a realidade que a Terra Plana traz com dados sobre o firmamento; a limitação espacial dos homens; a nulidade da gravidade e o circo que é a NASA e seus atores; isso não passa de um conto moderno de sondas e planetas incontáveis! Quanta informação mentirosa! Sem fundamento real! Sem comprovação científica a não ser os foguetes feitos para serem destruídos ao decolarem! O resto é pura animação computadorizada; imagens tridimensionais e conversa fiada! É sempre assim e em cada artigo que eles liberam sobre essas fábulas espaciais; sempre tem um elemento doutrinário no meio. Preste bem atenção: "Para Prado, o estudo da atmosfera de Titã foi importante, pois o satélite apresenta condições similares às da atmosfera terrestre na época do início da vida na Terra". Sério? Imaginou que início de vida estão se referindo certo? Evolucionismo óbvio!



Sabe qual é o grande problema da maioria das pessoas? Fé demais onde não precisa e é perigoso! Se lhes é pregado Deus como Criador de tudo; Senhor de todos e Salvador da humanidade; eles rejeitam como religiosidade entre outras ideias mais que inserem na mente da humanidade; mas quando vem um bando de homens corruptos mentirosos apregoando façanhas que não podem ver e nem comprovar eles acreditam! Ficam pasmos ao ler estas notícias sem comprovação e admiram grandemente! Parabéns! Parabéns para você que é um religioso devoto das pregações a NASA e não percebe que tudo isso é balela e meio de tentar levar você ao ateísmo onde Deus não tem vez! É melhor soltar uma pipa e um drone com uma câmera e se obter mais créditos pelo que disser sobre do que esses camaradas com tanta mentira bem estruturada e elaborada por séculos. Nesse tocante eu admiro eles por tanta criatividade; mas infelizmente na hora de montar os filmes eles sempre estragam tudo com bolhas, insetos no estúdio quebrando a gravidade e animações irreais de seus feitos.

Hoje eu leio essas notícias e me divirto muito e quando alguém se irrita com isso eu dou ainda mais risada! Agora se você pode me comprovar todas essas maravilhas com fatos que não sejam a frase "Não podemos ver..."; então sinta-se a vontade para usar os comentários. Aina falarei do misticismo por trás desses eventos e nomes mitológicos de planetas. Vale ressaltar que até o Brasil esta entrando nessa de cabeça! Comente, compartilhe e assine as atualizações para não ficar de fora de mais comédias da NASA e informações valiosas quanto a Terra Plana.

Fontes:
Terra - Aos 35 anos, Voyager 1 é o objeto terrestre mais distante


Comentários