Terra Plana - Onde Raios esta a Curvatura Terrestre?

A NASA e os astrônomos modernos afirmam que estamos vivendo em um esferoide oblato com 25 mil milhas estatutárias em circunferência equatorial com uma curvatura de 7,935 polegadas para cada milha, variando inversamente com o quadrado da distância, o que significa que em 3 milhas há uma declinação de quase 6 pés, em 30 milhas a 600 pés, em 300 milhas a 60,000 pés e assim por diante.   Portanto, se queremos provar ou refutar a validade de sua reivindicação de convexidade, é uma questão bastante simples e direta de medidas e cálculos. Mas já deixo claro que em todos os experimentos em campo feito por diversas pessoas; nunca se achou tal curvatura; mas existe um caos e grande dúvida quanto a que ponto ou altitude poderíamos ver a curvatura da Terra; mas nem na prática e nem por cálculos fantasiosos podemos conferir tal curvatura.

Por exemplo, a distância entre o Mar da Irlanda do Porto de Douglas da Ilha de Man e a Órgão de Orm em North Wales é de 60 milhas. Se a Terra fosse um globo, então a superfície da água entre eles formaria um arco de 60 milhas, o centro estaria se elevando aos nossos olhos 1944 pés mais alto do que as costas em qualquer extremidade! É bem conhecido e facilmente verificável, no entanto, que em um dia claro, a partir de uma altitude modesta de 100 pés, a cabeça do Great Orm é visível do porto de Douglas. Isso seria completamente impossível em um globo de 25 mil milhas. Supondo que a altitude de 100 pés faz com que o horizonte apareça a cerca de 13 milhas de distância, as 47 milhas restantes significam que o litoral galês ainda deve cair a uma distância de 1472 pés abaixo da linha de visão! Mas isso não acontece na prática!

Terra Pera de Neil deGrasse Tyson
Enquanto globalistas buscam a curvatura perdida... Neil deGrasse Tyson complica ainda mais a situação... Imagem: YouTube


"No jornal Times de segunda-feira, 16 de outubro de 1854, em uma descrição da visita de Sua Majestade a Great Grimsby de Hull, ocorre o seguinte parágrafo: "Sua atenção foi naturalmente dirigida a uma gigantesca torre que sobe do cais central para a altura de 300 pés, e pode ser vista a 60 milhas no mar. As 60 milhas sendo náuticas, e isso sempre é entendido ao se referir a distâncias no mar, faria 70 milhas estatutárias, para as quais a queda de 8 polegadas pertence, e como todas as observações no mar são consideradas feitas a uma elevação de 10 pés acima da água, para o qual quatro milhas devem ser deduzidas de toda a distância, permanecerão 66 milhas estatutárias, cujo quadrado multiplicado por 8 centímetros, dá uma declinação em direção à torre de 2.904 pés; deduzindo disto a altitude da torre, 300 pés, obtemos a surpreendente conclusão de que a torre deve estar à distância em que é visível, a mais de 2.600 pés abaixo do horizonte!"  - Dr. Samuel Rowbotham, "Earth Not a Globe, 2nd Edition"

Indivíduos negativos, muitas vezes retorquem que a refração da luz da superfície da água poderia explicar tais fenômenos. Para começar, a ideia de que não podemos diferenciar entre a luz refratada de algo e a coisa em si é absurda, mas mesmo supondo que não pudéssemos, a tolerância geral dos pesquisadores para a refração é apenas 1/12 da altitude do objeto observado, fazendo desta uma explicação completamente implausível. Usando o exemplo anterior de 2.600 pés dividido por 12 dá 206, o que subtraiu de 2.600 folhas, 2.384 pés que a torre deveria ter permanecido abaixo do horizonte. Melhor tentar outro pretexto... 

"Em setembro de 1898, recebi uma carta da Austrália em que o escritor diz: "No ano de 1872 eu estava a bordo do navio "Thomas Wood", o capitão Gibson da China, ia para Londres. Ao fazer uma longa passagem, ficamos sem provisões, e tão pouco depois de arredondar o Cabo que o Capitão falou de abastecer em Santa Helena com suprimento. Foi então o meu hobby para ter o primeiro vislumbre da terra, fazer uma pesquisa, de como o sol aumentaria. A ilha estava claramente à vista, bem no arco de estibordo. Eu relatei isso ao capitão Gibson. Ele não acreditou em mim, dizendo que era impossível quando estávamos a 75 milhas de distância. Ele, no entanto, me ofereceu papel e lápis para esboçar a terra que vi. Isso eu fiz. Ele então disse: "Você está certo", e moldou seu curso em conformidade. Eu nunca tinha visto a Ilha antes e não poderia ter descrito uma forma em que eu não tinha visto. Santa Helena é uma ilha alta e vulcânica, e se meu informante tivesse visto apenas o topo, teria que haver uma permissão para o alto da terra, mas, como ele esboçou a ilha, ele deve ter visto tudo isso, o que deveria estar a 3.650 metros abaixo da linha de visão, se o mundo fosse um globo."   - Thomas Winship, "Cosmetiza Zetetica"





No Chambers 'Journal, em fevereiro de 1895, um marinheiro perto das Maurícias no Oceano Índico relatou ter visto uma embarcação que acabou por estar a incríveis 200 milhas de distância! O incidente causou muito acalorado debate em círculos náuticos no momento, ganhando mais confirmação em Aden, no Iêmen, onde outra testemunha relatou ter visto um vaporizador desaparecido de Bombay a 200 milhas de distância. Ele afirmou corretamente a aparência precisa, a localização e a direção do vapor, depois corroborados e confirmados corretamente por aqueles a bordo. Esses avistamentos são absolutamente inexplicáveis ​​se a Terra fosse realmente uma bola de 25 mil milhas ao redor, já que os navios de 200 quilômetros de distância teriam que estar bem acima de 4 milhas abaixo da linha de visão!    

"Os astrônomos têm o hábito de considerar dois pontos na superfície da Terra, sem, ao que parece, qualquer limite quanto à distância que fica entre eles, como sendo um nível, e a seção intermediária, mesmo que seja um oceano, como uma vasta "colina" - de água!  O Oceano Atlântico, ao tomar essa visão do assunto, formaria uma "colina de água" com mais de cem milhas de altura! A ideia é simplesmente monstruosa, e só pode ser entretida por cientistas cujo todo o negócio é composto de materiais da mesma descrição: E certamente não requer nenhum argumento para deduzir, a partir de "ciência" como essa, uma prova satisfatória de que a Terra não é um globo. Todo homem em pleno comando de seus sentidos sabe que uma superfície nivelada é plana ou horizontal; Mas os astrônomos nos dizem que o verdadeiro nível é a superfície curva de um globo! Eles sabem que o homem precisa de uma superfície plana para viver, então eles lhe dão um nome que não é um na verdade! Este é o melhor que os astrônomos, com sua ciência teórica, podem fazer por seus semelhantes - enganá-los. "  - William Carpenter, "100 provas a terra não é um globo"

"Vastas áreas exibem um nível perfeitamente morto, quase um aumento que existe através de 1.500 milhas dos Cárpatos para os Urais. Ao sul do Báltico, o país é tão plano que um vento norte predominante dirigirá as águas do Stattiner Haf na boca do Oder e dará ao rio um fluxo para trás 30 ou 40 milhas. As planícies da Venezuela e Nova Granada, na América do Sul, principalmente à esquerda do Orinoco, são denominadas Ilanos, ou "Campos de Nível". Muitas vezes, no espaço de 270 milhas quadradas, a superfície não varia de um único pé.  A Amazônia só cai 12 pés nas últimas 700 milhas de seu curso; O La Plata tem apenas uma descida de um terço e meio de milha a milha."   - Rev. T. Milner, "Atlas da Geografia Física"





"Esses extratos demonstram claramente que a superfície da terra está nivelada e que, portanto, o mundo não é um globo. E quando chegarmos a considerar a superfície do mundo debaixo do mar, encontraremos a mesma uniformidade de evidências contra a visão popular. Em 'Nature and Man', foi publicado um artigo pelo professor WB Carpenter, intitulado 'The Deep Sea and its Contents', o escritor diz: "Se o fundo do meio do oceano estivesse seco, um observador situado em qualquer ponto do mesmo ficaria cercado por uma linda, apenas comparável à das pradarias norte-americanas ou aos pampas sul-americanos... A forma da área deprimida que aloja a água do oceano profundo é, de fato, comparável ao de um BANDEIRO PISO ou TEA BANDEIRO, cercado por uma jante elevada e profundamente inclinada, do que a da bacia com a qual é geralmente comparada. Este escritor notável fala de milhares de quilômetros, no Atlântico, no Pacífico e as grandes camas do Oceano Austral sendo uma superfície plana, e de suas observações é claro que uma superfície plana é o destino geral da cama dos grandes oceanos para DEZ MILHARES DE MILHAS QUADRADAS." - Thomas Winship, "Cosmetiza Zetetica"

Considerações e Conclusões

Já publiquei diversos artigos desbancando a tal curvatura até pelos cálculos dados pelos heliocentristas que para mim foi um tiro certeiro e bem prejudicial no pé deles. Mas ainda assim sempre aparece um alienado com alegações, zombarias e conversa fiada sem refutação plausível ou argumentos consistes; apenas palavras e mais palavras com um toque de desprezo e ofensa que não muda nada de que não existe essa curvatura imaginária. Eles até defendem de unhas e dentes suas crendices que não podem provar. Enquanto eles ainda tentam desesperadamente defender o indefensável, nós avançamos detonando sua bola molhada giratória para a glória de Deus nosso Criador Excelso e prosseguimos conhecendo os mistérios da Terra Plana. Quer tentar refutar? Mostra a curvatura? Adicionar informações? Compartilhar com outras pessoas? Sinta-se a vontade! Assine as atualizações para receber novos artigos em seu email! 

Fontes:
Atlantean Conspiracy - The Measurable Non-Curvature of the Flat Earth
                                

Comentários