Terra Plana - Donald Trump Limita Orçamento da NASA

Sente-se confortavelmente e estoure uma pipoca e faça uma limonada ou algo assim que a mentira é meio extensa dessa vez, por isso pretendo ser breve nos meus comentários. Continuo me indagando se Trump será mais um presidente envolvido até o pescoço nas tramas espaciais e novelas da NASA ou se ele realmente é alguém diferenciado e mesmo inocente quanto a essa mentira toda vai acabar descobrindo que a NASA é em sua totalidade uma farsa e que toda essa agitação de exploração espacial ao estilo Jornada nas Estrelas é jogada ateísta milionária? Até descobrirmos temos apenas notícias que nos dão algumas pistas. Dessa vez Donald Trump acabou limitando as missões da NASA cortando o orçamento deles. E por enquanto eles só estão liberados para missões a Lua e Marte me parece. Veja quanto delírio nessa matéria e o choro da NASA e seus comparsas por conta da decisão de Trump. Recomendo que leia o artigo sobre a missão na Lua antes:

Donald Trump e funcionários da NASA
Será que Donald Trump está por dentro das mentiras da NASA ou é só mais um participante de tudo isso? Imagem: Florida Today



Trump tira dinheiro da Nasa, e reduz esperanças de comprovar a energia escura

Uma missão de quase 20 anos que pretendia buscar uma resposta à pergunta mais premente e desconcertante da astronomia – e talvez elucidar o destino do Universocorre o risco de ser cancelada. O Telescópio Infravermelho de Pesquisa de Campo Amplo, ou WFIRST, estava sendo projetado para investigar a misteriosa força chamada de energia escura, que está acelerando a expansão do universo, e procurar planetas ao redor de outras estrelas. Em 2010, um painel de especialistas da Academia Nacional de Ciências, encarregado de traçar o futuro da astronomia, deu prioridade máxima à missão para os próximos 10 anos. De acordo com o planejado, ele poderia ser lançado em meados da década de 2020, a um custo de US$3,2 bilhões. Mas ela foi excluída do orçamento da NASA proposto pelo presidente Donald Trump no último mês.

Em uma declaração que acompanha o orçamento, Robert M. Lightfoot Jr., atual administrador da agência, classificou a exclusão de "decisão difícil", citando a necessidade de desviar recursos para "outras prioridades". A NASA está voltando seu foco para a Lua. Ninguém tem a ilusão de que a proposta de orçamento do presidente seja a última palavra em qualquer assunto. O Congresso, que geralmente dá ouvidos às recomendações da academia, terá a última palavra em uma dança da qual participam muitas missões da agência, incluindo o telescópio espacial Hubble. Como costumam dizer os cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato, lar de muitas missões: "Só é uma missão de verdade quando for cancelada".

O cancelamento proposto gerou um clamor entre os astrônomos, que advertiram que o retrocesso na missão seria um passo atrás no tipo de ciência que fez a grandeza dos EUA, e colocaria em risco projetos futuros que, como este, necessitam de ajuda internacional. Houve comparações com o cancelamento do Supercolisor Supercondutor, que acabou com a supremacia americana na física de partículas. David Spergel, ex-presidente do Conselho de Estudos Espaciais da academia, mencionou que, no planejamento de seus próprios programas, outros países dependiam dos EUA, pois seguem o conselho da Academia Nacional. Muitos burocratas e gente de fora da NASA, continuou ele, anularam décadas de processos orientados pela comunidade e tentaram definir a direção da astronomia espacial. Os astrônomos anseiam por uma missão para investigar a energia escura desde 1998, quando as observações de explosões de estrelas conhecidas como supernovas indicaram que a expansão do universo estava se acelerando, as galáxias distantes se afastando de nós ainda mais rápido com o passar do tempo cósmico. É como se, quando você largasse sua chave do carro, ela fosse arremessada para o teto. 



A descoberta garantiu o prêmio Nobel a três astrônomos americanos. Segundo cientistas, o destino do universo e os fundamentos da física dependem da natureza da energia escura. Os físicos têm uma explicação pronta para esse comportamento, mas, para eles, é como a cura que é pior que a doença: no caso, um fator de correção inventado por Einstein em 1917, chamado de constante cosmológicaEle sugeriu, e a teoria quântica confirmou posteriormente, que o espaço vazio poderia exercer uma força repulsiva, uma antigravidade, separando as coisas. Se for mesmo assim, conforme o universo cresce, deve se expandir cada vez mais rápido e fugir de si mesmo; outras galáxias acabariam indo embora tão rapidamente que não conseguiríamos vê-las; o universo se tornaria escuro e frio. O cosmologista Lawrence Krauss, da Universidade Estadual do Arizona descreveu a possibilidade como "o pior universo possível". Se, por outro lado, um campo de força anteriormente desconhecido estiver mexendo com as galáxias e o espaço-tempo, seu efeito poderia ser bloqueado ou até mesmo revertido em éons futuros. Ou talvez não entendamos muito bem a gravidade.

A energia escura, disse Frank Wilczek, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e laureado com um Nobel, "é o fato mais misterioso em toda a ciência física, aquele com o maior potencial para balançar os alicerces". Os astrônomos que fizeram essa descoberta usaram as explosões das estrelas, conhecidas como supernovas Tipo 1a, como marcadores de distância cósmica para controlar a taxa de expansão do universo. Desde então, outras ferramentas surgiram para que se pudesse medir a energia escura pelo modo em que ela retarda o crescimento das galáxias e outras estruturas no universo. Em 1999, Saul Perlmutter, do laboratório Lawrence Berkeley, um dos descobridores da energia escura, propôs uma missão espacial conhecida como SNAP (Supernova Acceleration Probe) para fazer exatamente isso.

Em 2008, a NASA e o Departamento de Energia orçaram uma missão em US$600 milhões, não incluindo custos de lançamento, e houve a abertura para a apresentação de propostas, mas a agência e o departamento tiveram dificuldades na colaboração e um grupo de cientistas trabalhando com a energia escura não conseguiu desenvolver um projeto que se encaixasse no orçamento. Em 2010, um comitê da Academia Nacional de Ciências reuniu várias propostas concorrentes na tentativa de resolver a questão. Paul Schechter, astrônomo do MIT envolvido no trabalho o chamou de WFIRST, sigla em inglês para Telescópio Infravermelho de Pesquisa de Campo Amplo. A sigla tinha um duplo significado, pois "W" é o nome de um parâmetro crucial que mede a virulência da energia escura. Mas o telescópio também iria procurar por exoplanetas, isto é, aqueles além do nosso sistema solar. No seu relatório, "Novos Mundos, Novos Horizontes", o comitê deu a essa missão a mais alta prioridade na ciência espacial para a década seguinte. 



Mas a NASA não tinha dinheiro para começar o projeto até que fosse concluída a construção do Telescópio Espacial James Webb, o sucessor do Hubble. Logo após as deliberações acadêmicas, a agência espacial admitiu que o projeto Webb o sucessor do Hubble. Logo após as deliberações acadêmicas, a agência espacial admitiu que o projeto Webb havia sido mal administrado. O telescópio, cujo lançamento estava agendado para 2014, exigiria pelo menos mais US$1,6 bilhão e vários anos para ser concluído. O Webb vai pesquisar as primeiras estrelas e galáxias que se formaram no universo, mas não foi projetado para a energia escura. Agora, a previsão de lançamento é o ano que vem. 

O WFIRST teve que esperar. Para retomar o trabalho até 2025 – ou quando a missão americana puder finalmente decolar –, a agência espacial começou a participar de uma missão europeia de energia escura conhecida como Euclides, agora programada para ser lançada em 2021. Só que ela não é tão abrangente quanto o WFIRST seria: as supernovas não serão usadas, por exemplo. A história passou por outra reviravolta dramática em junho de 2012, quando o Escritório Nacional de Reconhecimento, que opera satélites espiões, ofereceu à NASA um telescópio que estava sobrando – essencialmente, um parente próximo do Hubble, projetado para olhar para baixo, não para acima. Ele tinha um amplo campo de visão, que poderia permitir a inspeção de grandes áreas em busca de supernovas. Seu espelho primário – como o do Hubble, com mais de dois metros de diâmetro – é duas vezes maior que o que estava sendo previsto para o WFIRST, dando-lhe um poder de captação de luz quatro vezes maior e um profundo alcance no cosmos. 

O presente pouparia a agência do custo de construir um novo telescópio, mas havia senões. Como vários astrônomos salientaram, o uso de um telescópio maior significaria uma câmera maior, mais cara e com uma óptica mais complicada, e que precisaria ser construída. No entanto, a academia aceitou a ideia. Recentemente, outro elemento controverso foi adicionado à missão: um coronógrafo, usado para bloquear a luz de uma estrela para que planetas mais fracos ao seu redor pudessem ser detectados. Em meados do ano passado, um painel de revisão independente apontado pela NASA e liderado por Fiona Harrison, professora do Instituto de Tecnologia da Califórnia, aprovou os objetivos científicos básicos e a metodologia da missão, ao mesmo tempo em que pediu cautela na velocidade de desenvolvimento para não estourar o orçamento. Agora é hora de o Congresso decidir.

Michael Turner, cosmologista da Universidade de Chicago, disse: "Ninguém quer ouvir que alguém importante recomendou o cancelamento de seu projeto favorito, mas acredito que, como no ano passado, o Congresso se responsabilize pelo orçamento. Espero e acredito que tenha o discernimento para tal".





Considerações e Conclusões

Nem vou comentar toda essa merda que chega dá enjoo de ler; mas resumidamente falando; Donald Trump deu um golpe inesperado nos sonhos delirantes da NASA que baseado em fantasias de um cientista que só deixou mentiras como ciência e eles não ficaram contentes com isso. Toda essa lenga de aprofundamento no cosmos, exploração da energia escura e tudo mais é só balela e conhecendo ainda que basicamente a essência e mecânica de nosso universo na Terra Plana; sabemos que isso tudo é um pacote de hipóteses e teorias infundadas, improváveis e mentirosas que querem que acreditemos nessa de um universo se expandindo com tudo que há nele se distanciando. Mas para os mais ligados e observadores de verdade do universo, os céus permanecem os mesmos desde a criação e se fosse assim como esses alienados alegam, as constelações e estrelas que vemos, á milênios que teriam se distanciado absurdamente! Mas o que temos são as mesmas estrelas e posicionamentos pelo mundo onde as observamos! Mentiras, mentiras e mais mentiras baseadas em malucos chamados de cientistas com apelo à conhecimentos sem provas experimentais e marketing furado com tecnologias inexistentes e que não funcionam na prática.

Pronto, falado e quero o globalista que sem números e ilustrações toscas me prove tudo que Einstein pregou e seus sucessores se debruçaram em cima e hoje esticam como se fosse uma realidade. Os cometários estão a disposição... Focando no tema do artigo; a NASA não ficou muito contente com a decisão de Trump que mina a grana fácil deles e agora, esperam apelar para o conselho crendo que possam dar um jeitinho nisso. Vamos acompanhar o desenrolar dessa trama e esperar realmente que a NASA seja exposta e passem muita vergonha, porque Deus abomina a mentira e ainda é soberano sobre tudo e todos e esse pessoal com todas essas mentiras tem levado bilhões na manha com seus projetos e tecnologias fantasiosas de merda ao estilo ficção científica e o que me entristece é ver que o Brasil esta nessa embarcação agora... Com tantos problemas que exigem bilhões assim e poderia amenizar o sofrimento humano em muitos aspectos e o ser humano torrando em ilusões e mentiras enganando a humanidade que aplaude em pé seus feitos fantasiosos. Triste demais... Deixe seu parecer quanto a decisão de Trump e pontos do artigo; compartilhe com outras pessoas e se inscreva para receber mais novidades como esta.

Fontes: 
Uol Notícias - Trump tira dinheiro da Nasa, e reduz esperanças de comprovar a energia escura


Comentários