Terra Plana - As Tornozeleiras e os Satélites

Existem realmente satélites orbitando acima de nossas cabeças como nos mostram ou são apenas ficção cientifica para corroborar toda lógica ateísta imaginária do globo e sua teoria da gravidade? Todos vemos em diversos filmes de espionagem e de guerras, os satélites incrivelmente tecnológicos transmitindo informações a uma velocidade incrível e com precisão tamanha localizando indivíduos por equipamentos de rastreio ou algo assim; mas será que são reais? Bem, já tenho mostrado em muitos artigos que eles são apenas mentiras criadas para sustentar a gravidade e consequentemente o globo terrestre e infelizmente já tenho visto um vídeo onde um terraplanista balanceado considerava a existência dos mesmos por conta do eletro magnetismo, justificando assim a possibilidade de os mesmos navegarem nessa camada sem caírem. Bom, continuo crendo no contrário até que me mostrem o contrário... Mas navegando como sempre pelas ondas da informação na web, eu me deparei com uma notícia interessante sobre com funcionam as fascinantes tornozeleiras que os detentos usam nas ruas. Quer saber mais sobre os satélites?

Ilustração mostrando como seria o funcionamento das tornozeleiras
Será que realmente tudo poderia ser nos provado como mostra este esquema nessa ilustração? Os satélites são reais? Imagem: Band



O Ministério da Justiça e o Conselho Nacional de Justiça fizeram uma parceria para a compra de tornozeleiras eletrônicas. É um dispositivo que tem sido visto como uma forma de reduzir a lotação nas penitenciárias. Alguns presos da Operação Lava Jato, por exemplo, já usam o equipamento em prisão domiciliar. Ela é um pouco mais grossa do que um celular e tem quase o mesmo peso: 128 gramas. Coberta pela calça, a tornozeleira nem chama a atenção, mas tem o poder de seguir cada passo do preso. A tecnologia inclui um GPS para determinar a localização por satélite e um modem para transmissão de dados por sinal de celular. Todas as informações são passadas, em tempo real, para uma central de monitoramento que pode estar em qualquer lugar.


Uma delas fica em São Paulo e monitora presos de cinco estados. Alguns não podem sair de casa, estão em prisão domiciliar. Outros são proibidos de entrar em uma área definida. Por exemplo, um agressor que não pode mais se aproximar da vítima. O monitoramento também controla o preso que trabalha, mas tem que estar em casa a partir de uma hora determinada pelo juiz. Qualquer violação gera um alarme. Um preso que mora em Maceió ficou dando voltas na rua, parou em uma esquina e se atrasou para chegar em casa. É o que eles chamam de área de inclusão. "Seu Robson, houve uma violação na área de inclusão. O senhor pode me dizer o motivo?", questiona um operador da central de monitoramento.


A explicação dele foi que errou o caminho de casa. "O senhor tem que voltar imediatamente a sua residência", avisa o operador. A secretaria de segurança do estado também é avisada e, dependendo do tipo de violação, o condenado pode voltar para a cadeia. Se o preso tentar sair e deixar a tornozeleira em casa, para enganar o sistema, ele não vai conseguir. Primeiro porque a cinta é muito resistente. E mesmo que ele consiga cortar, dentro passa uma fibra ótica que emite um sinal o tempo todo. Se ele for interrompido, um alarme dispara na central de monitoramento. 

Os sensores funcionam mesmo nos lugares que não têm sinal de celular. "Na hora que ele sai para uma área que tenha cobertura de sinal de celular automaticamente é transmitida toda aquela informação pra central de monitoramento. O rastro dele, todo ele é capturado, afirma Marcelo Almeida, diretor de operações.

Considerações e Conclusão

Caiu a ficha de mais alguém ao final do artigo ou foi só a minha? Como assim os sensores funcionam mesmo nos lugares onde não tem sinal de celular? Então quer dizer que este equipamento como os celulares, GPS automotivos e outros também pode chegar em um determinado local onde o sinal é prejudicado é isso? Mas onde está toda aquela tecnologia em satélites aos milhares que nos dizem haver lá em cima e nunca vemos de verdade senão por fotomontagens notoriamente falsas? Esses problemas de falhas na transmissão em determinados locais a longa distância ou mesmo muito baixos ou em cavernas e outros mais só se justificam com sinais transmitidos por torres e não satélites! Todos os artigos que já publiquei aqui deixam bem claro que existem apenas estações centrais de sinais desse tipo onde transmitem de torres muito altas em lugares por toda parte; mas sempre tem aqueles cantos inalcançados onde acontecem essas falhas de sinais não justificadas no caso de satélites. Satélites são equipamentos no chão ou em balões flutuando nas correntes de ar amigo! E por isso as tornozeleiras podem falhar em dados lugares e momentos onde não chegue sinal!

Fontes:
G1 - Veja como funciona a tornozeleira eletrônica usada por condenados
Jornal da Alterosa - Jovem detento explica como burlou o sistema de tornozeleira eletrônica