Terra Plana - Prova 45 - Prancha Horizontal

Samuel B. Rowbotham foi um cientista rejeitado e atacado pela pseudociência em seu tempo por realizar diversos experimentos comprovando que não vivemos sobre uma esfera e sim sobre um plano terrestre. E meio a tantos experimentos e pesquisas ele conseguiu demonstrar principalmente que as águas de nosso mundo são niveladas e jamais seguiram curvatura alguma como creem os que defendem uma terra globular. Existem muitas evidências das mais simples as mais complexas comprovando que isso é um fato e uma delas é a própria linha do horizonte. O horizonte marítimo, a qualquer distância que ele se estenda para a direita e para a esquerda de um observador na terra, sempre se mostrará em perfeita linha reta, como representado por H, H, na figura 16.



Por mais longe que se estenda, o horizonte marítimo sempre se estenderá em perfeita linha reta, o que pode ser provado pelo simples experimento que segue. A qualquer altitude acima do nível do mar, fixe uma placa longa, de 6 a 12 pés (1,82 a 3,65mt) ou mais de comprimento, firme-a sobre tripés, como mostrado na figura 17.



A borda superior deve ser lisa e perfeitamente nivelada. Ao colocar os olhos atrás e sobre o centro da prancha B, B, e olhando sobre ela em direção ao mar, o horizonte distante seguirá perfeitamente paralelo com a borda. Se olhar a uma direção angular para a direita e para a esquerda, não haverá dificuldade em observar uma distância de dez ou vinte milhas (18,52 ou 37,04km), de acordo com a altitude da posição; e toda a distância de vinte milhas (37,04km) de horizonte marítimo será vista como uma perfeita linha reta. Se a terra fosse um globo, e a água do mar fosse convexa, isso seria impossível. Deveria haver uma curvatura de 66 pés (20,11mt) (10² x 8 = 66 pés e 8 polegadas) a cada dez milhas (18,52km), e ao invés de o horizonte tocar a prancha ao longo de seu comprimento, declinaria suavemente do centro C, e teria um declínio de 66 pés (20,11mt) abaixo das duas extremidades B, B, como mostrado na figura 18.




Qualquer embarcação ao se aproximar da esquerda poderia ser vista ascender ao plano inclinado H, B, C, e ao passar pelo centro desceria de C até o horizonte curvo em H. Tal fenômeno nunca é observado, e pode-se concluir terminantemente que tal convexidade ou curvatura não existe.

Considerações e Conclusões

É notório como os dados matemáticos trigonométricos e as observações dos defensores da esfera não batem com a realidade. Eles sempre defendem de unhas e dentes como os barcos somem no horizonte à sua frente quando estão na beira dos oceanos; mas nunca pararam para pensar porque esse fenômeno não acontece à sua direita e esquerda do campo de visão. Fato é que se colocarmos a distância vista em que os barcos somem jamais confirmará os cálculos dessa curvatura fajuta e fantasiosa. E se tentarmos encaixar essa mesma distância de desaparecimento dos barcos à direita e a esquerda do observador, constataremos que não há curvatura de fato! Ou aconteceria justamente o que demonstrou mais um vez Samuel Rowbotham em seu experimento simples mas destruidor de fantasias. No demais, participe com seu comentário dizendo o que achou desse experimento; se inscreva para receber novos artigos; compartilhe com outras pessoas este artigo e visite também nosso canal para acompanhar os comentários sobre este experimento empírico e cientificamente correto.

Fontes: 
Astronomia Zetética - A terra não é um globo (Páginas 34 e 35)



Comentários