Terra Plana - A descoberta de Planetas que não vemos!

Meu Deus! Quantos planetas o Senhor criou! Mas não vejo relatos disso na Tua Palavra? Mas os homens vivem encontrando mais e mais planetas o tempo todo! Eu nem sei quantos planetas eles já encontraram até aqui, mas garanto que podem encontrar mais que um dentro de um mês! Eles não param de encontrar planetas no universo incessível aos mortais que criaram! E como ninguém mais além deles podem ver, estudar e divulgar seus mundinhos, as pessoas só ficam com duas opções: 1. Acreditar com toda fé e emoção; ou 2. Não caírem nessa conversa pseudo científica até que se confirmem as provas dentro da ciência tradicional. Eu sou da segunda opinião e por isso estou desmentindo mais uma notícia alucinante de que descobriram um novo planeta. Será? Como sempre, tudo vem acompanhado das mesmas estratégias de marketing apelativo e ateísta. Se quiser saber mais sobre a farsa dos planetas, recomendo algumas leituras:

Ilustração do novo planeta descoberto por pesquisadores
Obviamente que jamais veremos cenas ou imagens reais desses supostos planetas desse suposto universo. Imagem: Hypescience



Tem um planeta absolutamente gigantesco vagando pela nossa vizinhança galáctica

Os astrônomos descobriram um planeta errante gigantesco com um campo magnético extremamente forte vagando pela nossa vizinhança galáctica, a apenas 20 anos-luz da Terra. A detecção foi feita com o radiotelescópio Very Large Array (VLA, no Novo México, EUA), marcando o primeiro objeto de massa planetária revelado por radiotelescopia.

Planeta ou quase estrela

O novo planeta é 12,7 vezes mais massivo que Júpiter, o que significa que está bem no limite do que caracteriza um planeta, beirando o território das anãs marrons. Se fosse um pouco maior, seria uma “estrela falhada”, como estas são às vezes referidas. Uma anã marrom é um objeto muito pequeno para produzir fusão de hidrogênio, o processo dominante que gera energia nas estrelas, mas grande o suficiente para a fusão de deutério, processo de baixa temperatura vital para estrelas recém-formadas. Ela está, então, na fronteira entre os maiores planetas e as menores estrelas, com massas de 13 a 80 vezes maiores que a de Júpiter. Inicialmente, acreditava-se que esses objetos não emitissem ondas de rádio. Em 2001, contudo, cientistas descobriram que eles eram absolutamente cheios de atividade magnética. Outras observações revelaram que anãs marrons também podem gerar fortes auroras.

Características do planeta

O novo objeto, denominado SIMP J01365663 + 0933473, pode ajudar os astrônomos a aprender mais sobre diversos fenômenos espaciais, incluindo as auroras das anãs marrons. Descoberto em meio a um aglomerado de estrelas muito jovens, tem cerca de 200 milhões de anos, um bebê em termos da idade do universo. Embora seja 12,7 vezes mais massivo que Júpiter, é apenas um pouco maior, com um raio de 1,22 vezes o do gigante de gás. Em comparação com a temperatura da superfície solar de 5.500 graus Celsius, é relativamente frio, com 825 graus Celsius. Seu campo magnético, por sua vez, é 200 vezes mais forte que o de Júpiter.

Auroras

A equipe acredita ter detectado emissões de rádio de auroras no novo planeta, o que representa um desafio para a maneira como entendemos os mecanismos para esse fenômeno em anãs marrons e exoplanetas. Aqui na Terra, as auroras são geradas por ventos solares, que interagem com partículas carregadas na nossa ionosfera. Essas partículas carregadas viajam ao longo das linhas do campo magnético do planeta até os polos, onde se manifestam como luzes no céu, produzindo fortes emissões de rádio. Mas, até onde sabemos, as anãs marrons não estão nas proximidades de quaisquer ventos estelares, fazendo de suas auroras uma espécie de quebra-cabeça que ainda não entendemos muito bem.

“Esse objeto em particular é empolgante porque estudar seus mecanismos de dínamo magnético pode nos dar novas percepções sobre como o mesmo tipo de mecanismo pode operar em planetas extra-solares – planetas além do nosso sistema solar. Achamos que esses mecanismos podem funcionar não só em anãs marrons, mas também em planetas gigantes e terrestres”, disse a astrônoma Melodie Kao, da Universidade Estadual do Arizona (EUA), uma das autoras do estudo.

Mais uma forma de encontrar planetas


A descoberta também pode ter outra implicação importante, além da compreensão de auroras: “Detectar o SIMP J01365663 + 0933473 com o VLA através de sua emissão de rádio auroral também significa que podemos ter uma nova forma de detectar exoplanetas, incluindo aqueles que não orbitam uma estrela-mãe”, explicou o astrônomo Gregg Hallinan, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (EUA), outro autor do estudo.

Considerações e Conclusões

Eu admito que sempre olho estes artigos com desdém e já era pra eu ter abandonado a tarefa de comentar sobre eles; mas infelizmente existem muitas pessoas no mundo e inclusive no Brasil que ainda sucumbem a essa fé vil e delirante de que moramos num mundo que é minúsculo, vagueando por um universo desconhecido e desprotegido com seres por aí em outros novos planetas. E por esse sério motivo que tem afastado ou impedido pessoas de crerem em Deus e na Sua Palavra desde sua adolescência, não cessarei de mostrar o quanto tudo isso é ilusório e sem sentido dentro da ciência limpa e que lida com fatos e experimentos. Agora vem a pancada psicológica... Por acaso, dentro de tudo que leu sobre essa pseudo pesquisa. existe algo maciço que te convença da existência desse tal planeta de nome estranho? Ou será que apenas apelar para nomes de supostos pesquisadores; equipamentos que nunca viu em ação de verdade e imagens ilustrativas que não confirmam tantos dados admiráveis já são suficientes para que você acredite nisso tudo? Pense bem...

E acredite, eu sou um homem com um bom nível de fé; mas toda essa baboseira de um novo planeta com tantos detalhes e informações complexas obtidas a partir de um equipamento que não sei se sequer faz o que faz mesmo? Não tenho tamanha fé amigo! Não existem tais planetas nem novos e nem velhos! Todo esse apelo sempre repetitivo de novidades nesse fantástico universo de alienígenas com equipamentos de ficção científica e tudo mais é justamente atrativos para os crentes na pseudo ciência! Com esse pacote de "realidade" eles te atraem, te iludem, te convencem, te maravilham e te deixam crendo em tudo isso pela fé. Entendeu? A Terra é a base de todo universo finito e dentre todos os corpos celestes não existem planetas como a pseudo ciência acredita! Caso esteja indignado com meus comentários; sinta-se a vontade para nos provar que esse planeta realmente existe com fundamentos científicos de verdade. Vamos lá!

Fontes:
IOP Science - The Strongest Magnetic Fields on the Coolest Brown Dwarfs
Science Alert - There Is an Absolutely Gigantic Rogue Planet Wandering Our Galactic Neighbourhood