Terra Plana - Prova 88 - O Excesso Esférico

O que mais os defensores da hipótese globular possuem além de maquetes e animações são dados duvidosos, matemática especulativa e interpretações errôneas de instrumentos como o telescópio e e o teodolito. Como prova da redondeza da terra, muitos têm confiado no que chamamos de excesso esférico, que é observado em observações trigonométricas em larga escala. Antes de continuar lendo este artigo eu recomendo que você leia alguns que seriam interessantes para complementar seus conhecimentos:

Terra Plana / Curvatura / Blue Marble

Segundo os defensores da bola molhada contraditória, tais desenhos e cálculos são suficientes para que sua esfera seja tida como realidade. Imagem: Astro


"Os ângulos tomados na superfície da terra pelo teodolito entre três pontos quaisquer na superfície da terra são, estritamente falando, ângulos esféricos, e sua soma precisa exceder aos 180º. E as linhas ao redor deles não são cordas como deveriam ser, mas tangentes à terra. Esse excesso é imperceptível em casos comuns, mas em larga escala, em triângulos maiores, é necessário dar os devidos descontos para esse efeito, e diminuir cada um dos ângulos do triângulo observado por um terço do excesso esférico. Para calcular esse excesso, divida a área do triângulo em pés pelo raio da terra em segundos e o quociente é o excesso." (113)

"O teodolito usado para medir os ângulos (na pesquisa inglesa) ultrapassou em suas dimensões e elaborado acabamento, cada instrumento do tipo já visto na Europa. Ele mediu ângulos com tamanha precisão, que foi necessário, nos cálculos dos triângulos, levar em consideração o excesso de três ângulos esféricos acima de dois ângulos retos, a uma quantidade que até agora tinha sido de um minuto de acerto para qualquer instrumento, e foi apenas conhecida pela teoria que existia. A soma total do erro de três ângulos nunca excedeu três segundos, os ângulos que, geralmente têm sido medidos para o segundo mais próximo." (114)

Nesses então chamados argumentos para a redondeza nós temos outro exemplo da maneira que os cientistas mais experientes são levados a se perder. Simplesmente como as diferenças observadas nas leituras dos cronômetros como as comparadas com aquelas dos registros e cálculos quando navegam nas regiões sul, os navegadores, que foram educados pela doutrina da redondeza, não poderiam possivelmente ver a explicação real na qual a realidade demonstra, mas foram forçados a adotar a ideia de que as correntes em conjunto, e não encaram o fato óbvio de que as diferenças foram observadas ao navegar de leste para oeste, e portanto, que eram partes de uma noção contraditória de que as correntes do mar estavam se movendo em direções contrárias carregando os navios para direita e esquerda, ou para trás e para frente, ao mesmo tempo.





Então, os mais habilidosos observadores, conectados com a pesquisa ordenada da Grã Bretanha e Irlanda, não podiam ver que os ângulos que foram tão amplamente concordados com suas operações gerais foram o resultado de suaves divergências nos raios de luz passando pelas lentes de seus telescópios, mas ao contrário de todo princípio racional, afirmaram que do topo dos lugares mais altos de onde as observações foram feitas, foram divergentes do centro comum de uma terra globular, e o então chamado "excesso esférico", pelo qual eles fizeram tais descontos, como foi necessário para fazer suas observações concordarem com a teoria da redondeza. Eles sabem que tal teoria foi contrária ao fato, de que a terra é plana, eles teriam de buscar uma explicação para as discrepâncias para as triangulações próprias. Eles teriam reconhecido a influência de refração ou "colimação" em seus instrumentos. Pois eles não podiam ser ignorantes às peculiaridades ópticas que necessitavam para tantas observações do mesmo ponto antes de decidirem sobre a "média de erros" como sua leitura adequada.

A regra que o maior número de observações feitas "na média de erros", nas mais corretas deduções, levam a procurar o "excesso esférico" somente a caráter ótico dos telescópios empregados. Nas operações conectadas com o Túnel do Monte Cenis, as observações principais foram repetidas muitas vezes antes de os ângulos adequados serem acertados. O Sr. Francis Kossuth, um dos Comissários Reais das Ferrovias Italianas, em seu registro no túnel, depois de descrever o processo adotado na pesquisa sobre a montanha, disse:

“O sistema todo consiste em 28 triângulos, e 86 foram o número de medidas dos ângulos. Todos eles não foram repetidos menos de 10 vezes, a maioria deles foi medida 20 vezes, e os ângulos mais importantes, foram medidos 60 vezes.”

Em muitas triangulações conectadas com a pesquisa ordenada britânica, as observações foram repetidas mais de cem vezes, para diminuir os erros pessoais e instrumentais que poderia haver em tais operações. No artigo "Colimação e o Horizonte" é mostrado que um teodolito nivelado apontado diretamente ao mar representa o horizonte como se estivesse cruzando abaixo, devido ao que é tecnicamente chamado "colimação", ou "uma suave divergência dos raios de luz do eixo dos olhos ao passar pelas muitas lentes do teodolito. A mesma "colimação" existe em conexão com o cruzamento vertical. E então o suave excesso de três ângulos sobre os 180 graus frequentemente observado, quando registrado a longas distâncias, tais, por exemplo, como aqueles entre Kippure e Donard, na Irlanda, e Precelly, em Wales.

Considerações e Conclusão 

Fica evidenciado mais uma vez que os globolóides são ninjas em distorcer informações e se utilizando de dados matemáticos especulativos montam suas hipóteses fantásticas e querem nos forçar a acreditar no que depois desenham e acham ser ciência real, quando na verdade não podem sequer mostrar isso na prática. Como sempre... Desde muito tempo essa hipótese se baseia nisso mesmo: Achismos, especulações, dados fictícios e atualmente muitos recursos digitais! Deixe seu comentário; se inscreva para receber os novos artigos e compartilhe com outras pessoas mais essa refutação maravilhosa de Samuel Birley Rowbotham e não deixe de conhecer também nosso canal no YouTube de mesmo nome. Deus abençoe a todos!

Fontes:
Astronomia Zetética - A terra não é um globo (Páginas 261 à 263 )
113 "Treatise on Levelling." By Castle.
114 Dr. Rees's "Cyclopoedia," article "Degree."
Astro - Trigonometria Esférica



Comentários