Mundo Plano - Prova 108 - Transparência da Lua

Desde sempre os homens tentam dominar o conhecimento em toda a criação, incluindo os céus e seus elementos. Um deles é a lua e dentre todos os delírios acerca da mesma temos que a lua é um corpo celeste que teve sua origem da terra e por isso é rochosa e depois de toda mentira dos homens terem ido a lua; muitos engoliram isso como verdade e acreditam nisso até hoje. Mas Samuel Birley Rowbotham, desde seu tempo, diligentemente sempre pesquisando expôs mais uma vez os delírios dos pseudocientistas de seu tempo. Vamos ver antes em resumo como nossos inteligentes cientistas descrevem a lua? 

"O solo lunar é composto de vários tipos de partículas, incluindo fragmentos de rochas, fragmentos mono-minerais e vários tipos de vidros, incluindo partículas aglutinadas, esférulas vulcânicas e de impacto." Wikipedia

Há mais de três séculos e meio desde que Fernando de Magalhães observou que a lua, durante o eclipse solar, não estava perfeitamente opaca. Ele disse:

"Na manhã de 11 de outubro de 1520, um eclipse do sol era esperado. Exatos oito segundos depois das 10 da manhã, o sol, chegando a altitude de 42º, começou a perder o seu brilho, gradualmente escurecendo, mudando para um vermelho escuro, sem nuvem alguma para impedir a visão. Nenhuma parte do sol ficou invisível, mas todo ele parecia estar atrás de uma fumaça espessa, até que passou a altitude dos 44½°, quando recuperou seu antigo esplendor." 141

Os homens continuam afirmando que a lua seja um astro rochoso quando vemos outras evidências de semitransparência. Imagem: Fatos Desconhecidos


Durante um eclipse solar parcial a borda do sol tem sido vista muitas vezes através do corpo da lua. Mas aqueles que foram ensinados a acreditar que a lua é uma esfera sólida e opaca, e sempre prontos a "explicar", frequentemente com os argumentos mais inconsistentes, em vez de admitir o simples fato da transparência. Não apenas tem sido provado pela visibilidade do contorno do sol através dos segmentos, mas algumas vezes o próprio centro, da lua, com frequência, na lua nova, o contorno dela, e mesmo as várias sombras de luz na parte oposta e iluminada tem sido distintamente vistas. Em outras palavras, nós somos com frequência capazes de ver através do lado escuro do corpo da lua a luz do outro lado.

"Nesta luz tênue o telescópio pode distinguir tanto as grandes marcas, e como também os pequenos pontos brilhantes, e mesmo quanto mais da metade do disco iluminado da lua, uma fraca luz cinza pode ainda ser vista na parte restante com a ajuda do telescópio. Esses fenômenos são particularmente chocantes quando vistos do alto do planalto da montanha de Quito e México." 142

Muitos têm trabalhado arduamente para dizer que esses fenômenos são o resultado do que eles dizem ser a reflexão da luz da terra - "Terra Luminosa", "o reflexo de uma reflexão". A luz do sol lançada de volta da luz a terra e retornando da terra a luz! Parece nunca ocorrer a esses "estudantes da imaginação" que a chamada "terra luminosa" é mais intensa quando a luz está nova, e portanto ilumina pelo menos a terra. Quando a causa é menos intensa, o efeito é muito maior!

Além do fato de que quando a lua está apenas a poucas horas cheia, e algumas vezes até chegar no primeiro quarto, o olho nu é capaz de ver através de seu corpo a luz brilhando no outro lado, estrelas fixas tem sido vistas através de uma parte considerável de sua substância, como comprovado pelas seguintes citações

"No dia 15 de março de 1848, quando a lua estava no sétimo dia e meio cheia, eu nunca a tinha visto seu disco escurecido tão maravilhosamente. … na primeira vista no telescópio uma estrela de aproximadamente sétima grandeza de magnitude estava a alguns minutos de um grau distante da parte negra da lua. Eu vi que sua ocultação pela lua era inevitável. … A estrela, ao invés de desaparecer no momento em que a borda da lua chegou em contato, aparentemente deslizava na escuridão da face escura da lua. .. Eu vi projeções aparentes muitas vezes. … A causa desse fenômeno é envolvida por um mistério impenetrável." 143





"Ocultação de Júpiter pela lua, no dia 24 de maio, de 1860, por Thomas Gaunt. Eu lhe envio o seguinte relato como visto por mim em Stoke Newington. As observações foram feitas com um acromático de 3.3 polegadas de abertura, 40 polegadas de foco; a imersão com o poder de 50 e a emersão com um poder de 70. Na imersão eu não podia ver o lado negro da lua até que o planeta pareceu tocá-lo, e quando apenas a extensão do diâmetro do planeta. Mas o que mais me chocou foi como a lua ficou quando passou sobre o planeta. Parecia como se o planeta fosse um objeto escuro, e deslizava na luz ao invés de estar atrás dela. E essa visão continuou até que o planeta sumiu, quando de repente eu perdi a parte escura da lua completamente." 144

"Ocultação de Júpiter pela lua, 24 de maio, de 1860, observada por T. W. Burr em Highbury. A primeira parte do planeta desapareceu às 8h 44m 6,7s., a segunda parte desapareceu às 8h 45m 4.9s., tempo sideral local, na parte escura da lua. A primeira parte do planeta reapareceu às 9h 55m e 48s. A segunda parte reapareceu às 9h 56m e 44.7s, na parte brilhante. O planeta estava bem visível, não obstante, a forte luz do sol (4h. 34m hora do meridiano de Greenwich), mas com certeza sem quaisquer cinturões. A parte escura da lua não podia ser detectada até que foi tocada pelo planeta, quando ele foi visto de forma negra e agudamente definida. e como se o disco de Júpiter passasse na frente e aparecesse para iluminar. Então aquela parte da lua estava precedida de uma parte brilhante de luz, sem dúvida um efeito de contraste." 145

"Ocultação das Plêiades, em 8 de dezembro de 1859, observadas no Observatório Real, Greenwich, comunicado pelo Astrônomo Real. Observadas pelo senhor Dunkin com a azimutal, o desaparecimento de 27 Tauri foi o fenômeno mais singular. A estrela parecia se mover por um tempo considerável ao longo da massa da lua, e foi notado às 5 h e 34m o primeiro desaparecimento atrás de uma saliência, em uns poucos segundos reapareceu, e finalmente desapareceu a segunda vez em 5h 35 m."

"Observação do senhor Criswich, com o norte equatorial, 27 Tauri não foi ocultada completamente embora tenha passado tão perto de alguma parte dos picos iluminados da parte escura como dificilmente seria distinto delas."

Nas "Philosofical Transactions" (transações filosóficas) de 1794 é afirmado:

"Três pessoas em Norwich e uma em Londres, viram uma estrela na tarde do dia 7 de março de 1794, na parte escura da lua, que não tinha chegado ainda no seu primeiro quadrante, e a partir das representações pode-se dizer que as estrelas deveriam estar muito longe em relação ao disco. Na mesma tarde houve uma ocultação de Alderaban, a qual o Dr. Maskelyne pensou ser uma coincidência singular, mas que agora seria conhecida como a causa do fenômeno." 146 

Uma das primeiras observações do efeito por um astrônomo foi William Herschel (descobridor de Urano), que estava dando uma festa em 4 de maio de 1783. Durante a noite, a esposa do Dr. Lind estava olhando para a lua e afirmou ter visto uma estrela dentro do disco entre os chifres da lua. Herschel tentou explicar como isso não era possível, mas finalmente cedeu e com certeza percebeu. O efeito desapareceu gradualmente e a estrela ocupada finalmente desapareceu (Holden 71-2).

Outro avistamento do efeito foi em 18 de setembro de 1856, quando William Stephen Jacob (no Observatório Madras na Índia) observou a lua ocultando 23 Tauri. Ele pensou ter visto a estrela passar sobre o lado final da lua e aparentemente se mover sobre ela, como se estivesse entre nós e a lua, com mais de um diâmetro da estrela, então ela desapareceu (Baum 279).

Nosso velho amigo Airy, famoso por seu papel na descoberta de Netuno, mencionou o efeito em uma reunião da Royal Astronomical Society em 1859. Especificamente, ele se lembrou de quando o viu em 1831, mas mencionou que sentiu que era uma ilusão e, portanto, não merecia investigação . Mas Sir James South divergiu, pois encontrou 74 casos separados de 1699-1857 que mencionaram o efeito. Que era uma ilusão, ele não duvidava, mas que era insignificante como Airy sentia, ele claramente não concordava, pois em 6 de fevereiro de 1821 ele testemunhou o evento quando observou Delta Piscum aparentemente se mover dentro das pontas do crescente da lua. Curiosamente, South ficava na Grã-Bretanha na época e ninguém mais parecia vê-lo, mas muitas pessoas na Europa continental viam (287-90).

As citações acima são apenas algumas de muitos casos que já foram registrados, e se com as evidências apresentadas no capítulo dos eclipses, elas são insuficientes para provar que a lua não é um corpo opaco refletor mas é na realidade um corpo semitransparente, com uma estrutura luminosa, para tais mentes é uma evidência sem valor, e o raciocínio, uma vã pretensão. Nada poderia evitar tal conclusão de uma vez por todas, exceto pela preocupação das mentes com uma presunção hipotética estrábica, que compele seus devotos ao parecer favorável em seus detalhes, mesmo sendo diretamente contrários a cada fato do mundo natural, e a cada princípio da investigação mental. 

Efeito Coleridge?

A primeira menção a esse fenômeno vem da balada de Samuel Taylor Coleridge intitulada “The Rite of the Ancient Mariner”. Nele, ele menciona que, “enquanto perto acima da barra oriental a Lua chifruda, com uma estrela brilhante quase entre as pontas”. Coleridge baseou isso nas observações que fez em novembro de 1797, bem como no folclore sobre o qual leu em Philosophical Transactions , escrito em 1712 por Cotton Mathen. No referido livro, ele menciona que “há uma tradição entre eles (os índios) que em novembro de 1668 uma estrela apareceu entre o corpo da lua, dentro dos chifres dela (Baum 280-3)."

 Então, o que as pessoas viram?

La Hire em 1699 sugeriu que a lua estava rodeada por uma “luz parasita” que a fazia parecer mais longa do que realmente é, e assim a estrela é vista através de uma área opaca. William R. Corliss, um especialista em mistérios astronômicos, postulou que uma série de coisas poderiam ter sido responsáveis, incluindo "reflexo da luz solar a partir de feições lunares, materiais lunares incandescentes, fenômenos triboelétricos, fenômenos piezoelétricos, meteoros na atmosfera da Terra, ação de mirade, irradiação , ou difração. ” Realmente não restringe nada (Baum 290, Corliss).

Em 1998, Duncan Steel sentiu que Coleridge pode ter visto uma chuva de meteoros Leonid, o que teria acontecido no momento em que Coleridge estava olhando para o céu e na mesma vizinhança geral. C. Stanley Ogilvy estava em um processo de pensamento semelhante quando postulou que um asteroide poderia estar passando por ali no momento (Baum 285).

Como todos os bons mistérios, a solução permanece desconhecida. Talvez seja uma combinação de todas essas coisas. Talvez nenhum deles esteja certo. Nenhum avistamento recente do efeito foi visto, mas quem sabe? 

 Com essas desculpas, os defensores de lua como sendo uma pedra metamórfica sólida tentam justificar o que tantas pessoas viram ao longo da história. Fracasso total...  

Considerações e Conclusão

Óbvio que os homens cheios de arrogância e orgulho, em sua vaidade tentam a todo custo sucumbir com a verdade e calar os que testificam de fatos inegáveis como os listados aqui por Samuel Birley Rowbotham que demonstrou que existem ainda muito mais relatos de pessoas que avistaram tais fenômenos comprovando que os corpos celestes por várias ocasiões foram vistos passando atrás do lado escuro da lua. O que seria isso pra você? Como explicar tais fenômenos? Mas eles sempre esperneiam para tentar explicar do modo mais ilusório e satisfatório que puderem. E infelizmente a maioria da humanidade esta desapercebida e não pesquisa ao menos tais estudos e se debruça sobre observações como estas para enxergarem a realidade. A lua não é um corpo rochoso; os homens jamais estiveram nela e não há nenhuma forma real de consolidar suas mentiras fantasiosas. Em uma pesquisa superficial sobre o tema, já constatei em um site chamado Quora, uma pergunta sobre a transparência da lua no tocante a se ver a noite através dela e o azul do céu durante o dia e logo lendo os comentários, encontrei um abençoado testificando que já viu a olho nu uma estrela como que passando pela parte escura da lua:

"Tive a sorte de ver estrelas através da Lua a olho nu. Não há dúvida do que vi. Duas estrelas muito brilhantes juntas. Qualquer pessoa que disser que há poeira nas lentes da câmera terá dificuldade em me dizer que estou com poeira nos olhos. A lavagem cerebral que sofremos ficou evidente para mim quando percebi que não tinha contado a ninguém sobre o incidente. Observei as estrelas por um longo tempo, repassando em minha mente quais eram as possibilidades. As estrelas estavam perto do centro quando era meia lua. Eles estavam no lado negro e muito óbvios. Acho que havia outras pessoas por perto, mas não liguei para elas porque lutava com o que estava vendo. após cerca de 20 minutos, fui para casa e nem pensei em contar a ninguém e rapidamente esqueci sobre o incidente até que ele apareceu novamente durante uma investigação da Terra plana. Meu subconsciente não aceitou a informação como válida e a ignorou para mim." Todd Peachey, Artista

Contra fatos não há argumentos, por mais brilhantes e criativos que sejam... Segue o link do assunto nas fontes. Comente sua opinião sobre isso, compartilhe com outras pessoas e se inscreva aqui no blog e também no canal no YouTube. 

Fontes:

141 "Discoveries in the South Sea," p. 39, by Captain James Burney.

142 "Description of the Heavens," p. 354, by Alex. von Humboldt

143 Sir James South, of the Royal Observatory, Kensington, in a letter in the "Times" newspaper of April 7, 1848.

144 Monthly Notices of Royal Astronomical Society, for June 8, 1860.

145 Monthly Notices of Royal Astronomical Society, for June 8, 1860.

146 Rev. T. W. Webb na nota mensal da Royal Astronomical Society de 11 de maio de 1860.

Quora: Why is the moon transparent? You can see the black sky through the body of the moon at night, and can see the blue sky through the body of the moon during daytime. So "light refraction" delusions will not work on this one.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Respostas contra 12 argumentos dos ateus

Terra Plana - Salmos 19.1 - O Firmamento de Deus (Domo)

Verdade Oculta - Você conhece quem é o "irmão" Rubens?